Agencias de viagens passagens aéreas

Agencias de viagens passagens aéreas

Ainda não há documentos separados para este tópico.

TJ-SE - AGRAVO REGIMENTAL AGR 2006200102 SE (TJ-SE)

Data de publicação: 07/02/2006

Ementa: AGRAVO REGIMENTAL - DECISÃO QUE NEGOU O EFEITO SUSPENSIVO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO - AÇÃO CAUTELAR INOMINADA - LIMINAR CONCEDIDA - MANUTENÇÃO DOS PRAZOS ANTERIORES PARA REPORTE E PAGAMENTO DOS RELATÓRIOS DE VENDAS DE PASSAGENS AÉREAS PELAS AGÊNCIAS DE TURISMO - DATAS ESTABELECIDAS HÁ MAIS DE DEZ ANOS - PREJUÍZOS EVIDENCIADOS EM DECORRÊNCIA DA MUDANÇA - REPASSE AOS CONSUMIDORES - REFORMA FEITA DE FORMA UNILATERAL - NECESSIDADE DE PRAZO PARA ADEQUAÇÃO DO SISTEMA ATUAL - MANUTENÇÃO DA DECISÃO ATÉ JULGAMENTO DA AÇÃO PRINCIPAL - AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO - UNANIMIDADE.

Encontrado em: ASSOCIACAO BRASILEIRA DAS AGENCIAS DE VIAGENS DO ESTADO DE SERGIPE AGRAVO REGIMENTAL AGR 2006200102 SE (TJ-SE) DES. MANUEL PASCOAL NABUCO D`AVILA

STF - CONFLITO DE JURISDIÇÃO CJ 6035 SP (STF)

Data de publicação: 01/10/1976

Ementa: VENDA DE PASSAGENS AÉREAS POR AGÊNCIA DE TURISMO. TRATA-SE DE ATIVIDADE MERCANTIL AUTÔNOMA, QUE NÃO CONFIGURA QUESTÃO DE DIREITO AERONÁUTICO SUJEITO A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL.

Encontrado em: 1/10/1976 COMPETÊNCIA, VENDA DE PASSAGENS AEREAS, AGENCIA ,TURISMO, ATIVIDADE MERCANTIL AUTONOMA. JUSTIÇA COMUM. DIREITO PROCESSUAL CIVIL CM. COMPETÊNCIA, JUSTIÇA COMUM, PASSAGENS AEREAS (VENDAS ). EMPRESA DE TURISMO, DIREITO AERONAUTICO (INEXISTÊNCIA) CONFLITO DE JURISDIÇÃO CJ 6035 SP (STF) Min. CUNHA PEIXOTO.

STF - CONFLITO DE JURISDIÇÃO CJ 6035 SP (STF)

Data de publicação: 01/10/1976

Ementa: VENDA DE PASSAGENS AÉREAS POR AGÊNCIA DE TURISMO. TRATA-SE DE ATIVIDADE MERCANTIL AUTÔNOMA, QUE NÃO CONFIGURA QUESTÃO DE DIREITO AERONÁUTICO SUJEITO A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL.

Encontrado em: 30/9/1976 COMPETÊNCIA, VENDA DE PASSAGENS AEREAS, AGENCIA ,TURISMO, ATIVIDADE MERCANTIL AUTONOMA. JUSTIÇA COMUM. DIREITO PROCESSUAL CIVIL CM. COMPETÊNCIA, JUSTIÇA COMUM, PASSAGENS AEREAS (VENDAS ). EMPRESA DE TURISMO, DIREITO AERONAUTICO (INEXISTÊNCIA) CONFLITO DE JURISDIÇÃO CJ 6035 SP (STF) CUNHA PEIXOTO.

TJ-RS - Recurso Cível 71003154481 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 16/01/2012

Ementa: AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS. AGÊNCIA DE TURISMO. COMPRA DE PASSAGENS AÉREAS CANCELADAS. DESCONTO DAS PRESTAÇÕES INDEVIDAMENTE LANÇADAS NAS FATURAS DE CARTÃO DE CRÉDITO DO AUTOR. LEGITIMIDADE DA OPERADORA DE VIAGENS EM RAZÃO DA INTERMEDIAÇÃO DA COMPRA E VENDA DE PASSAGENS. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DA ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDITO. APLICAÇÃO DO ART. 7º. PARÁGRAFO ÚNICO. DO CDC. DANOS MORAIS NÃO CONFIGURADOS. Não há falar em cerceamento de defesa em razão da inversão do ônus da prova quando da prolação da sentença. A inversão do ônus da prova não acarretou.

DJDF 14/05/2013 - Pág. 428 - Diário de Justiça do Distrito Federal

aéreas. a agência de turismo. à luz da teoria do risco do empreendimento, assume a responsabilidade. a intermediação da venda das passagens aéreas (submarino viagens) é objetiva, porquanto além de participar.

TJ-DF - Apelação Cí­vel APL 295798220048070001 DF 0029579-82.2004.807.0001 (TJ-DF)

Data de publicação: 24/08/2010

Ementa: CIVIL - AÇÃO ORDINÁRIA - DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO CUMULADA COM INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS - EMPRESA ADMINISTRADORA DE C ARTÃO DE CRÉDITO E EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE TURISMO - RELAÇÃO DE CONSUMO - INEXISTÊNCIA - PRECEDENTES DO EG. STJ E DO C. TJDFT - VENDA DE PASSAGENS AÉREAS MEDIANTE USO DE C ARTÃO DE CRÉDITO - FRAUDE PRATICADA POR TERCEIROS - CANCELAMENTO DAS TRANSAÇÕES PELA OPERADORA DE C ARTÕES - LEGALIDADE - NEGLIGÊNCIA DA AGÊNCIA DE TURISMO NA CONFERÊNCIA DOS DADOS DO COMPRADOR - IMPROCEDÊNCIA DOS PEDIDOS - SENTENÇA MANTIDA. 1. A AGÊNCIA DE TURISMO UTILIZA OS SERVIÇOS DA OPERADORA DE C ARTÕES DE CRÉDITO PARA VIABILIZAR A SUA ATIVIDADE ECONÔMICA, RAZÃO PELA QUAL NÃO PODE SER CONSIDERADA DESTINATÁRIA FINAL DOS SERVIÇOS DA OPERADORA, NOS TERMOS DO ART. 2º DO CDC. PRECEDENTES. 2. RESTOU COMPROVADO QUE A AUTORA VENDEU INÚMERAS PASSAGENS AÉREAS A UM ÚNICO CLIENTE, O QUAL APRESENTOU C ARTÕES DE CRÉDITO DE VÁRIOS TITULARES, FATO QUE, POR SI SÓ, É SUFICIENTE PARA PROVOCAR A DESCONFIANÇA DOS PREPOSTOS DA VENDEDORA. COMO SE NÃO BASTASSE, A FUNCIONÁRIA RESPONSÁVEL PELAS VENDAS FIGURA EM INQUÉRITO POLICIAL COMO ENVOLVIDA NA FRAUDE, O QUE TORNA INEQUÍVOCA A CULPA DA APELANTE PELO PREJUÍZO EXPERIMENTADO. 3. DESCURANDO-SE O ESTABELECIMENTO COMERCIAL DAS CAUTELAS NECESSÁRIAS À REALIZAÇÃO DE VENDA MEDIANTE C ARTÃO DE CRÉDITO, RESPONDE PELOS DANOS DECORRENTES DE FRAUDE PERPETRADA POR TERCEIROS. 4. RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO.

TJ-RN - Inteiro Teor. Apelação Cível AC 122183 RN 2009.012218-3 (TJRN)

Source: http://www.jusbrasil.com.br/topicos/679751/venda-de-passagens-aereas-por-agencia-de-turismo


*****

Agencias de viagens passagens aéreas

INEXISTКNCIA DE RESPONSABILIDADE SOLIDБRIA DAS AGКNCIAS DE TURISMO NA VENDA DE PASSAGENS AЙREAS. BREVE NOTA JURНDICA

Prezado Associado,

Segue a Nota em referкncia, elaborada pelo Coordenador Jurнdico do Sindetur-SP, Dr. Joandre Ferraz:
  1. POSIЗГO DA QUESTГO

Й pъblica e notуria a grave situaзгo econфmico-financeira da VARIG, tradicional companhia aйrea, que, como as demais, faz 80% de suas vendas por meio de agкncias de turismo.

Hб opiniхes e, mesmo, decisхes judiciais, no sentido dessa intermediaзгo gerar para as agкncias de turismo responsabilidade solidбria pela inexecuзгo ou mб execuзгo do serviзo.

Daн o temor delas do risco de serem obrigadas a reparar danos de consumidores da VARIG, por eventual paralisaзгo de suas atividades, e o interesse em medidas que previnam tal risco.

  • NATUREZA DAS ATIVIDADES DE VENDA E DE EXECUЗГO DE TRANSPORTE AЙREO

    Diz a norma regulamentar que й privativa das agкncias de turismo "a prestaзгo de serviзo consistente em venda comissionada ou intermediaзгo remunerada de passagens individuais ou coletivas (. ) 1 .

    O contrato entre elas e as companhias aйreas adotam denominaзхes diversas 2 e nгo й regido por qualquer norma legal especнfica, daн, tecnicamente, ser considerado um contrato atнpico.

    Em sнntese, por esse contrato as agкncias de turismo sгo autorizadas pelas companhias aйreas a emitirem seus bilhetes de passagens e obrigam-se a seu pagamento.

    Esses bilhetes conferem а pessoa neles nomeada o direito ao transporte aйreo ali previsto - serviзo pъblico regido por contrato e normas prуprias 3 - regular ou nгo-regular, domйstico ou internacional.

    Diz a regra legal especial que "o contrato de transporte aйreo obriga o empresбrio a transportar passageiro, bagagem (. ), por meio de aeronave, mediante pagamento" 4 .

    E diz a regra legal geral que "pelo contrato de transporte alguйm se obriga, mediante a retribuiзгo, a transportar, de um lugar para outro, pessoas ou coisas" 5.

    Portanto, perante o consumidor, as obrigaзхes em comento sгo divisнveis e nгo indivisнvel, pois:
    1. o contrato de intermediaзгo na venda de transporte aйreo obriga as agкncias de turismo emitir e entregar a passagem solicitada pelo consumidor; e

  • o contrato de transporte aйreo - cujo instrumento й o bilhete de passagem - obriga a companhia a transportar a pessoa entre os lugares ali indicados.
  • CONCEITO E EFEITOS DA RESPONSABILIDADE SOLIDБRIA

    Diz a regra legal geral que a solidariedade nгo pode ser presumida, mas decorre de lei ou de contrato, quando hб mais de um devedor que responde pelo cumprimento da obrigaзгo 6 .

    Diz o Cуdigo de Defesa do Consumidor que "tendo mais de um autor a ofensa, todos responderгo solidariamente pela reparaзгo dos danos previstos nas normas de consumo" 7 .

    Como visto antes, as disposiзхes legais, especial e geral, aplicбveis ao contrato de transporte, obrigam, tгo-somente as companhias aйreas por sua execuзгo.

    A obrigaзгo das agкncias de turismo - emitir a passagem solicitada pelo consumidor - й distinta e independe da obrigaзгo da companhia aйrea executar o contrato de transporte.

    Sгo, assim, obrigaзхes que, em tese, poderiam ser solidбrias, pois sгo divisнveis, se houvesse lei ou previsгo contratual neste sentido, o que nгo hб, nem na lei comum, nem na do consumidor.

    Conclusгo jurнdica necessбria: a agкncia de turismo nгo й solidбria com a companhia aйrea na obrigaзгo de executar o contrato de transporte contido na passagem emitida por seu intermйdio.

    Em outras palavras: a agкncia de turismo nгo responde pela reparaзгo de danos, incluindo reembolsos, resultantes de fatos (acidentes) ou vнcios (falhas) do serviзo de transporte aйreo.

    Nesta linha, acуrdгo com a seguinte ementa: Civil. CDC. Danos morais causados por ato direto e exclusivo de terceiro elide a responsabilidade da fornecedora. Sentenзa mantida. 1. se, induvidosamente, os danos morais, foram causados especнfica e diretamente por terceira pessoa - empresa aйrea contratada pela operadora para transportar o passageiro, adquirente de pacote de viagem de turismo - sem que se possa atribuir qualquer parcela de culpa, por mнnima que seja, аquela (empresa operadora), nгo hб como responsabilizб-la civilmente pelos danos morais reclamados. diante do teor expresso da parte final do inciso II do § 3є do art. 14 do CDC. 1. recurso conhecido e improvido, para manter a conclusгo da sentenзa recorrida. (JECDF, 2Є turma recursal, ACJ 20020110201898, rel. Benito Augusto Tiezzi, j. 30/10/02, v.u.) (destaque nosso). Por sua vez, o Poder Concedente do serviзo pъblico de transporte aйreo tem o poder-dever legal de:
    1. intervir nas concessionбrias cuja situaзгo ameace a continuidade do serviзo 8 ; e
  • estabelecer normas que assegurem seu melhor rendimento econфmico do serviзo 9 .
  • Se nгo o exerce, hoje por meio da ANAC, concorre para eventual paralisaзгo do serviзo da VARIG e pode responder, solidariamente, pela reparaзгo do dano que ela causar a consumidores. Portanto,

    1. inexiste regra legal ou contratual que atribua аs agкncias de turismo solidariedade na obrigaзгo de executar o contrato de transporte aйreo;

  • hб regra legal que confere competкncia ao Poder Concedente para cumprir ou fazer cumprir a obrigaзгo de execuзгo contratual contнnua do serviзo pъblico de transporte aйreo."
    1. cf art. 2є, I, Decreto nє 84.934, de 21 de julho de 1980.
  • "fornecimento de passagens аs agкncias de viagens e turismo", "acordo para emissгo e venda de bilhetes de passagens", "contrato para venda de passagens por agкncia de turismo, "contrato de agкncia de passagens", "contrato de fornecdimento de bilhetes de passagens а agкncias de viagens", cf Segundo Tribunal de Alзada Civil de Sгo Paulo, 8Є Cвmara, Apelaзгo 603.386-00/3, declaraзгo de voto do Revisor Kioitsi Chicuta, j. 26/04/2001, votaзгo unвnime

  • cf art. 175, Cуdigo Brasileiro de Aeronбutica - CBAer, sobre o qual dispхe a Lei nє 7.565, de 19 de dezembro de 1986

  • cf CBAer, art. 222

  • cf art. 730, Cуdigo Civil, de 2002

  • cf. art. 264, 266 e 942, Cуdigo Civil de 2002

  • cf art. 7є, § ъnico, e, em outras palavras, art. 25, § 1є, Lei nє 8.078, de 10 de setembro de 1990

  • cf art. 188, CBAer

  • cf art. 193, CBAer
  • Source: http://www.sindetursp.com.br/circular06_012.htm


    *****

    Agencias de viagens passagens aéreas

    PASSAGENS AÉREAS

    Claudia - Ramal: 3210 (a tarde)

    Ana Paula - Ramal: 3210 (manhã)

    As passagens aéreas devem ser solicitadas no Sistema de Concessão de Diárias e Passagens – SCDP – www.scdp.gov.br mediante cadastramento de servidor no sistema;

    fone: 30257466

    - Sistemas Informática

    - Financeiro

    fone: 30257465

    A Arancíbia Turismo LTDA, atualmente, é a única agência autorizada a emitir passagens aéreas para a universidade;

    Os dados do proposto (passageiro) devem ser preenchidos com rigoroso cuidado para não ocasionar transtornos na emissão do bilhete de passagem;

    A proposta de concessão de diárias e passagem - PCDP, assinada e carimbada pela coordenação do Programa de Pós-Graduação, deve ser anexada ao SCDP, bem como outros documentos como convites, folders, portarias, etc;

    As viagens devem ser inseridas no sistema SCDP com antecedência mínima de 15 (quinze) dias úteis antes do evento;

    Em caso de cancelamento da viagem, entrar em contato com a PROPG.

    Caso os bilhetes de passagem aérea tenham sido emitidos e a viagem não ocorra, encaminhar ofício ao DECOR/PROPG, solicitando o cancelamento e reembolso dos bilhetes, justificando o cancelamento da viagem. O mesmo ofício deverá ser anexado ao SCDP na prestação de contas do proposto.

    OBS:

    1. Quando a PCDP retornar da agência de viagens para ajuste nas tarifas, solicitar novos orçamentos de voos à agência de viagens, corrigir as tarifas no SCDP, anexar os orçamentos no SCDP e encaminhar a PCDP para nova aprovação da PROPG;
    2. Lembramos que o contrato da universidade com a agência de viagens não permite o cancelamento de bilhetes de passagens aéreas emitidas, para emissão de outros bilhetes de passagens aéreas para o mesmo passageiro por erros de emissão (datas, horários, voos), uma vez que não está contemplado no contrato o pagamento de multas por parte da universidade.

    PASSAGENS RODOVIÁRIAS

    Responsável: Carolina - Ramal: 4552

    Source: http://www.ufrgs.br/propg/sobre-a-propg/decor/passagens-e-hospedagens

    24.04.2018

    New

    31 2015 mar

    Mega promoção de passagens aereas

    Mega promoção de passagens aereas Categorias Parece brincadeira, mas não é, pois a TAM pela primeira vez lança uma mega promoção com passagens aéreas  baratas para os Estados...

    02 2015 abr

    Pesquisa viagens

    Pesquisa viagens Muita gente que lê este blog pretende fazer um intercâmbio ou estudar na Irlanda. Quero saber mais sobre vocês! Criei essa...

    21 2014 feb

    Voe azul passagens promocionais

    Voe azul passagens promocionais Voe Azul Passagens Promocionais Voe Azul Passagens Promocionais Voe Azul Passagens Promocionais e preços de passagens aéreas bataras pela Linhas Aéreas Azul podem ser...

    Popular on-line

    Passagem aerea alemanha

    Passagem aerea alemanhaPaís: Alemanha | Região: Hessen | Cidade: Frankfurt | Localização: EuropaA tradicional arquitetura germânica. fator responsável por levar muitos turistas à Alemanha. ... Saber mais...

    Qual é a diferença entre a classe turística e classe executiva?

    Hoje em dia podemos encontrar bilhetes acessíveis  praticamente em qualquer companhia aérea do mundo. Por exemplo: para os estudantes ou reformados. Frequentemente as companhias ... Saber mais...

    Agencia de viagens jumbo

    Agencia de viagens jumboGeotur-Viagens E Turismo Sa0m: R Diogo Botelho Edifício Foz Residence-Lj 5 em PortoIcitours-Agãia De Viagens Lda0m: R. J—lio Dinis 752-Cv Lj-6 ... Saber mais...

    Testimonials

    Bem-vindo ao nosso site! Aqui você pode encontrar os voos mais baratos e hotéis para sua viagem.”

    equipa de desenvolvimento, Viagens Aviao

    Os nossos parceiros